Viver no Senhor – Um blog a serviço da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana. – – – Sejam Todos Bem-Vindos! Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la. Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, etc, etc. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los, em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

Julia Beck

Da redação

Jair Bolsonaro fez nesta sexta-feira, 30, breve passagem por instituições localizadas nas cidades de Guaratinguetá, Aparecida e Cachoeira Paulista

Notícias Canção Nova
 
 
Presidente eleito, Jair Bolsonaro durante compromisso na manhã desta sexta-feira, 30/ Foto: Canção Nova/ Wesley Almeida
O presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro, fez uma breve passagem nesta sexta-feira, 30, pelas cidades de Guaratinguetá, Aparecida e Cachoeira Paulista, todas localizadas no Vale do Paraíba, São Paulo. Durante a manhã, Bolsonaro participou da Solenidade Militar de Formatura da 247ª turma do curso de Formação de Sargentos (CFS), Esquadrão Azul, Turma Condá, da 29ª turma do Estágio de Adaptação à Graduação Sargento (EAGS), Esquadrão Prata e da Turma Sírius — todas pertencentes a Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR). No início da tarde, Bolsonaro visitou a Basílica Nacional e ao Santuário do Pai das Misericórdias, da Comunidade Canção Nova (CN).
Jair Bolsonaro chegou ao pátio do Prédio do Comando da EEAR, em Guaratinguetá, às 10h30, e participou da formatura dos 530 novos sargentos. O presidente eleito participou da homenagem e entrega do prêmio Honra ao Mérito, do Ministério da Defesa, e acompanhou as premiações da Força Aérea Brasileira e da Medalha Eduardo Gomes Aplicação de Estudo. Ao final da cerimônia, Bolsonaro concedeu uma entrevista à imprensa e falou dos temas: indulto de natal, a indicação do almirante Bento Costa Lima para o Ministério de Minas e Energia, novos investimentos no Vale do Paraíba, relações internacionais, futura indicação para a pasta de Meio Ambiente, segurança e combate ao crime organizado e a intervenção militar no Rio de Janeiro que não será prorrogada.
Bolsonaro durante entrega do prêmio Honra ao Mérito, do Ministro da Defesa/ Presidente eleito, Jair Bolsonaro durante compromisso na manhã desta sexta-feira, 30/ Foto: Canção Nova/ Wesley Almeida
Sobre o indulto, Bolsonaro observou: “Será completamente diferente. Não é somente uma questão de corrupção, qualquer criminoso tem que cumprir sua pena de forma integral, essa é a nossa política, é isso inclusive que acertei com Sérgio Moro, indicado para ser Ministro da Justiça, para tratar essas questões. Se não houver punição ou se a punição for extremamente branda, acho que é um convite à criminalidade”.
Com relação ao novo indicado para o Ministério de Minas e Energia, o presidente eleito afirmou: “Ele tem conhecimento do assunto, é uma pessoa honrada, que está com muita vontade de buscar soluções para questões graves que temos pela frente”. A respeito da futura interrupção da intervenção militar no Rio de Janeiro, Bolsonaro declarou: “Eu assumindo, não a prorrogarei. (…) Quero uma retaguarda jurídica para as pessoas que trabalham na segurança do nosso Brasil. Não posso admitir que o integrante das Forças Armadas, da Polícia Militar, da Polícia Federal, entre outros, após o cumprimento da missão, respondam a um processo”.
Novos sargentos da EEAR, durante formatura/ Presidente eleito, Jair Bolsonaro durante compromisso na manhã desta sexta-feira, 30/ Foto: Canção Nova/ Wesley Almeida
Após a coletiva, Jair Bolsonaro fez uma rápida visita à Basílica Nacional de Aparecida, e seguiu rumo ao Santuário do Pai das Misericórdias, na Canção Nova, localizado em Cachoeira Paulista. Na ocasião, o presidente eleito foi recebido pelo fundador da comunidade, Monsenhor Jonas Abib, pela cofundadora da comunidade, Luzia Santiago, o presidente da Fundação João Paulo II, Wellington Silva Jardim, padre Bruno Costa, e demais autoridades.
No Santuário, Monsenhor Jonas rezou pelo presidente e pediu sabedoria para este novo período. “O Pai quer abraçá-lo e fazer com que o senhor caminhe pelos caminhos dEle para que Ele possa levá-lo a um Brasil mudado. (…) Assim como Salomão, que Deus o dê toda a sabedoria. Salomão não pediu riquezas, nem vitórias sobre seus inimigos, mas pediu sabedoria. Senhor dá a ele a sua sabedoria”, rogou. Os fiéis participaram também do momento de oração.
Bolsonaro durante momento de oração no Santuário do Pai das Misericórdias em Cachoeira Paulista (SP)/ Presidente eleito, Jair Bolsonaro durante compromisso na manhã desta sexta-feira, 30/ Foto: Canção Nova/ Wesley Almeida
“Quero mais uma vez agradecer a Deus por estar vivo. Fui salvo por homens, mas pelas mãos de Deus. Agradeço o apoio, consideração, confiança e orações. Entendo que o que acontece comigo é uma missão de Deus. Como disse, há pouco, Monsenhor Jonas, quero avançar um pouco mais, e quero pedir mais que sabedoria, quero pedir coragem para decidir acertadamente o destino desta grande nação chamada Brasil”, falou Bolsonaro.
Depois de sua passagem pelo Santuário, Bolsonaro encontrou-se com a imprensa no Auditório São Paulo, na sede da Canção Nova. Durante coletiva, o presidente assegurou que permanecerá com as isenções de impostos e taxas sob as Igrejas e comunidades que realizam trabalhos filantrópicos. Bolsonaro comentou também a proximidade econômica de seu futuro governo com o governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sua linha conservadora e possíveis incentivos ao turismo religioso.
Acompanhado durante toda esta sexta-feira pelo futuro ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, pelo chefe de gabinete de Segurança Institucional (GSI), General Augusto Heleno, e pelo senador eleito, Major Olímpio, o presidente eleito seguirá neste sábado, 1, para a cidade de Resende, no interior do Rio de Janeiro, onde participará da cerimônia de Formatura dos Cadetes Aspirantes da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN).
Coletiva de imprensa do presidente eleito na Canção Nova/ Presidente eleito, Jair Bolsonaro durante compromisso na manhã desta sexta-feira, 30/ Foto: Canção Nova/ Wesley Almeida
Título Original: Após eleição, Bolsonaro visita pela primeira vez cidades do Vale (SP)
Site: Notícias Canção Nova
Editado por Henrique Guihon

Creative Commons

Aleteia
Do Bom Pastor ao Alfa e Ômega, do Anagrama do Peixe ao Ágape Fraterno, da Barca ao Khi-Rho: imagens até hoje reluzentes de significado!
As catacumbas romanas são galerias subterrâneas que formam verdadeiros labirintos de vários quilômetros. Dentro delas, os primeiros cristãos, perseguidos pelo Império Romano, enterravam os seus mártires e, excepcionalmente, realizavam alguns ritos litúrgicos na clandestinidade.
A origem da palavra “catacumba” é incerta, mas uma das possibilidades mais apontadas é que o termo venha do grego κατά (abaixo) e τύμβoς (túmulo). Outros estudiosos a consideram uma palavra híbrida formada pelo grego κατά e pela raiz latina –cumbo, que significa “jazer”, “estar deitado”.
São famosas, particularmente, as catacumbas de São Calixto, Santa Domitila, São Sebastião e Santa Priscila. Na de São Sebastião, por exemplo, há fragmentos de pratos usados por ninguém menos que São Pedro e São Paulo, entre outras relíquias preciosíssimas.
Com o Edito de Milão, no ano de 313, terminou oficialmente a perseguição contra os cristãos, que puderam começar a construir igrejas e adquirir terrenos para novos cemitérios. As catacumbas, porém, continuaram sendo usadas até o século V. Pouco a pouco, foram perdendo relevância e caindo quase no esquecimento até serem redescobertas por operários em 1578.
Os desenhos e símbolos gravados nas suas paredes chegam a ser verdadeiras obras de arte, repletas de significado cristão.
Para conhecer alguns dos mais importantes, clique no botão “Abrir a galeria de fotos“:
Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

A solenidade de Cristo Rei

 
Cléofas
Jesus afirmou que é Rei, mas não deste mundo. Quando Pilatos o interrogou, “És porventura rei?”, Ele respondeu: “Sim, eu sou rei!” (Jo 18,37). Mas, “meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus súditos certamente teriam pelejado, para que eu não fosse entregue aos judeus” (Jo 18,36). O Reino de Cristo é o Reino dos Céus; que Ele veio inaugurar, e disse que “já estava no coração” dos homens. Ele quer reinar em nós, não no mundo. Ele quer o nosso coração, nada mais.
Cristo não reina na glória e no poder dos homens, mas nos corações dos “pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus”. Ele reina nos mansos, nos pacíficos, nos construtores da paz, nos puros de espírito, nos misericordiosos, nos que sabem perdoar, enxugar as lágrimas dos irmãos, dos aflitos, dos que têm sede e fome de justiça, dos que são perseguidos por causa Dele.
Ele é Rei porque venceu; não no triunfo do poder humano, mas na vitória contra o Mal e contra o pecado e morte: “Por isso Deus o exaltou soberanamente e lhe outorgou o Nome que está acima de todos os nomes, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho no céu, na terra e nos infernos. E toda língua confesse, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é o Senhor” (Fp 2,8-11).
Logo no início o livro do Apocalipse revela a Majestade do grande Rei: “Jesus Cristo, testemunha fiel, primogênito dentre os mortos e soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, que nos lavou de nossos pecados no seu sangue e que fez de nós um reino de sacerdotes para Deus e seu Pai, glória e poder pelos séculos dos séculos! Amém. Ei-lo que vem com as nuvens. Todos os olhos o verão, mesmo aqueles que o traspassaram. Por sua causa, hão de lamentar-se todas as raças da terra. Sim. Amém. Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, Aquele que É, que era e que vem, o Dominador” (Ap 1,5-8).
“O seu rosto se assemelhava ao sol, quando brilha com toda a força… Eu sou o Primeiro e o Último, e o que vive. Pois estive morto, e eis-me de novo vivo pelos séculos dos séculos; tenho as chaves da morte e da região dos mortos” (Ap 1,16-18).
Ele é Aquele que “segura as sete estrelas na sua mão direita” (Ap 2,1); “que tem a espada afiada de dois gumes” (2,12); “que tem os olhos como chamas de fogo” (2,18); “Aquele que tem a chave de Davi – que abre e que ninguém pode fechar; que fecha, e ninguém pode abrir” (3,7); “o princípio da criação de Deus” (3,14). “Ele é Leão da tribo de Judá, o descendente de Davi” (5,5).
Os anjos cantam sem cessar: “Digno é o Cordeiro imolado de receber o poder, a riqueza, a sabedoria, a força, a glória, a honra e o louvor” (5,12). “E todas as criaturas do céu e da terra, debaixo da terra e no mar, e tudo que contém, clamam: “Aquele que se assenta no trono e ao Cordeiro, louvor, honra, glória e poder pelos séculos dos séculos. Amém!” (5,11-14). Por isso o povo canta com alegria: “Ao que está assentado no trono e ao Cordeiro seja o louvor, seja a honra, seja a glória, seja o domínio, pelos séculos dos séculos. Amém!”
Esse é nosso Rei e Senhor; um Rei diferente. Seu reinado é diferente; seu berço foi um cocho; sua casa foi um buraco na rocha; seu púlpito um barco, sua corte a natureza, seu veículo um jumentinho, sua glória é servir e seu trono é a Cruz. Que Rei diferente! Mas é Dele o Reino dos Céus, que “olhos humanos jamais viram, ouvidos humanos jamais ouviram e coração humano jamais sentiu, o que tem preparado para os que o amam” (1 Cor 2,9).
Mas, por ser o “Rei dos Reis”, Ele é exigente, e tem que ser mesmo. Como o seu Reino se assenta em nosso coração, Ele não aceita dividi-lo com outros reis. Ele exige a renúncia ao nosso eu que quer tomar o Seu lugar no trono do nosso coração. “Renuncie a ti mesmo, tome a cruz a cada dia e me siga” (Lc 9,23). Perca a sua vida para ganha-la. É um Rei que sabe o que quer; e sabe que nos quer dar o melhor; a alegria eterna e infinita; por isso arranca dos nossos corações os falsos reis.
Esta é a nossa grande decisão: a que rei vamos entregar o nosso coração?
Prof. Felipe Aquino
Sobre Prof. Felipe AquinoO Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Título Original: Jesus, Rei dos Reis
Site: Cléofas
Editado por Henrique Guilhon

Multidão de jovens se reúne para a visita do Papa Francisco, em 2016 / Foto: Arquivo CN

Thiago Coutinho
Da redação

Notícias Canção Nova
Atividades serão realizadas no Oratório São Luiz neste domingo, 25
A Diocese de Lorena (SP) se prepara para neste domingo, 25, dedicar-se à participação do jovem na Igreja, num evento focado no Dia Nacional da Juventude (DNJ) — cuja edição deste ano girou em torno do tema “Juventude construindo uma cultura de paz” e o lema “Disse estas coisas para que em mim vocês tenham paz, neste mundo vocês terão aflições, contudo tenham coragem, Eu venci o mundo” (Jo 16,33), propostos pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).
As atividades programadas serão realizadas no Oratório São Luiz, uma casa salesiana. “Neste espaço teremos um momento de comunhão e partilha”, explica Ailton Evangelista, assessor da Juventude na diocese de Lorena.
Está programada uma missa e uma série de workshops em que serão organizados debates e escuta dos jovens. “Estamos caminhando na esteira da Igreja no que diz respeito a escutar a juventude a partir da proposta do Sínodo, que este ano foi realizado em Roma. Na própria inscrição, perguntamos aos jovens o que eles queriam discutir”, detalha Evangelista.
Entre os temas elencados para esta conversa estão Sentido da Vida, Doutrina e Religião, Questões de fé e Afetividade e Sexualidade. “Nossos jovens poderão participar destes debates, divididos em salas em que serão trabalhados esses temas específicos, sempre se levando em conta a pluralidade e a diversidade de cada grupo de jovens”, afirma o assessor.
À tarde, serão abertas as Tendas de Convivência, “em que teremos desde feiras vocacionais até grupos que falarão sobre a juventude carismática, a juventude que trabalha com a teoria do corpo e outros que discutirão a devoção mariana, algo muito forte no meio jovem”, detalha Evangelista. O objetivo destas atividades é mostrar ao jovem que a Igreja é um lugar que ele pode discutir suas angústias e necessidades.
“É uma data para celebrar a vida e a juventude”, aponta Padre Flávio José, um dos coordenadores do evento deste domingo, que atua com jovens desde os 15 anos de idade ― muito antes de se tornar um sacerdote. “O tema apontado pelo DNJ caiu muito bem, favorável para uma sociedade tão violenta e sem Deus que estamos vivendo. É um dia para celebrarmos a vida e o que o jovem tem de melhor”, assegura o religioso.
Cultura de paz
A proposta do DNJ é fomentar nos jovens o diálogo, de escutar e se colocar no lugar do outro. Uma postura que gere empatia. “Caminhamos a partir das luzes do Evangelho, que favorecem esta questão do diálogo, de escutar, afastar os julgamentos e preconceitos e fazer esta primeira experiência de acolhida e misericórdia. Uma vez armados destes sentimentos, já está havendo uma certa promoção da paz. Assim que estes elementos são assimilados, tornam-se um costume na vida do jovem que se desdobra em todos os ambientes em que ele vive”, pondera Evangelista.
Para Padre Flávio, a juventude precisa de espaço e, quando encontra este espaço, consegue gerar vida. “A sociedade é quem muitas vezes impõe estes elementos que fazem com que eles se insiram neste universo da violência. Mas, em sua essência, os jovens são da paz. Querem viver a vida. E possível superar a violência e tudo que é negativo quando eles têm espaço”, garante.
É fato, porém, que todos estes problemas de violência e exclusão social que assolam o mundo também atingem mesmo aqueles que vivem o que a Igreja pede. “Percebo que Igreja e mundo são coisas entrelaçadas. O jovem que vai à Igreja é aquele que também precisa pegar ônibus, pagar a faculdade e que mora num lugar que não favorece o seu desenvolvimento”, lamenta o assessor.
Por outro lado, a Igreja traz vida a esses jovens. Nela, eles podem muitas vezes reduzir esta falta que o mundo por vezes traz àqueles que estão dando os primeiros passos a uma vida adulta. “Acredito que o mais bonito da Igreja, o eixo de sua proposta e do Evangelho, é trazer vida a essas pessoas. Ela abre suas portas para favorecer o protagonismo do jovem. Quando nos aproximamos da proposta da Igreja, ela é de libertar os jovens e alavancá-los, impulsioná-los para que estudem e trabalhem, quer vê-los felizes”, assegura.
A Igreja, para o padre Flávio, deve ir ao encontro dos jovens. “O que falta muito é a acolhida. Isto sim ajuda a tirá-los do mapa da violência e os ajuda a viver melhor”, aponta o religioso. “Quando se compreende isto, você compreende toda a entrega de Jesus à cruz”, reitera Evangelista.
Site: Notícias Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

Dom Henrique Soares
A Igreja nos faz contemplar aquela estupenda visão do Apocalipse: “O Templo de Deus que está no céu se abriu, e apareceu no templo a arca da sua aliança”. Eis aqui uma primeira imagem da Virgem Maria: Arca da Aliança. Não é invenção da Igreja não! O próprio Evangelho de Lucas faz essa leitura da Virgem como nova Arca da Aliança. É só comparar 2Sm 6,1-15 com Lc 1,39-45: (1) a Arca vai para Jerusalém, na região montanhosa de Judá; a Virgem vai à região montanhosa de Judá; (2) Davi diz: “Como virá a Arca do meu Senhor para ficar na minha casa?”; Isabel diz: “Donde me vem que a Mãe do meu Senhor venha à minha casa?”; (3) A Arca fica três meses na casa de Obed-Edom; Maria fica três meses na casa de Isabel. Como a Arca trazia em si as tábuas da Antiga Aliança, a Virgem traz em si Aquele que é a Nova Aliança de Deus com o seu povo. Neste sentido, a Arca é um sinal do amor perene do Senhor pelo seu povo, pela sua Igreja. É isto também que é a Virgem Maria, enquanto Mãe dAquele que é a nossa Aliança.
A Mulher grávida, vestida de sol, pisando a luz e coroada com doze estrelas é, ao mesmo tempo, a Igreja e a Virgem Maria: Maria é personificação e imagem da própria Igreja. A Liturgia hoje contempla nesta Mulher (cf. Gn 3,15; Jo 2,4; 19,26) a própria Virgem Maria: vestida de Cristo, Sol de justiça, nele glorificada; ela entra naquilo que é definitivo: pisa a lua, sinal da inconstância e mutabilidade da vida; coroada com doze estrelas, número do antigo e do novo Israel, que é a Igreja. Mas, sempre grávida, sempre exercendo sua função materna de gerar Cristo em nós pela sua oração maternal, como nova Arca da Aliança de Deus com o seu povo, que é a Igreja. Na luta que atravessa a história, luta entre o Reino de Deus e o reino de Satanás, a Virgem Maria estará sempre presente, como consolo, força e intercessão materna!
Olhemos para o céu, onde está em corpo e alma a Virgem Santíssima: o que ela foi nós somos: peregrinos neste mundo; o que ela é nós seremos: totalmente glorificados na glória de Cristo!
Título Original:  A Arca, a Mulher e a Virgem Maria
Site: Dom Henrique.com
Editado por Henrique Guilhon

Conclusão do Sínodo dos jovens

CNBB
A XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos foi concluída neste domingo, 28 de outubro, com a missa presidida pelo papa Francisco, na Basílica de São Pedro. Aos jovens do mundo inteiro, tema de reflexão sob o qual os padres sinodais se debruçaram, foram dirigidas palavras de esperança, confiança e consolação. O Documento Final desta assembleia, cujo tema foi “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional” foi entregue ao papa, que autorizou a sua publicação.
Em sua carta, os padres sinodais situam o processo de escuta que permeou as três semanas de assembleia, quando deram ouvidos à voz de Jesus, “o Cristo, eternamente jovem”. Nele, reconheceram as vozes da juventude, seus gritos de exultação, lamentos e silêncios”.
“Sabemos de suas buscas interiores, das alegrias e das esperanças, das dores e angústias que fazem parte de sua inquietude. Agora, queremos que vocês escutem uma palavra nossa: desejamos ser colaboradores de sua alegria para que suas expectativas se transformem em ideais. Temos certeza de que com sua vontade de viver, vocês estão prontos a se empenhar para que seus sonhos tomem forma em sua existência e na história humana”, afirmam em um trecho.
A sinalização é um pedido de confiança à Igreja-mãe, que tem em suas estruturas fraquezas, fragilidades e pecados, que não devem neste sentido desanimar ou ser obstáculo à confiança. “A Igreja é sua mãe, não abandona vocês, está pronta para acompanhá-los em novos caminhos, nas sendas mais altas onde o vento do Espírito sopra mais forte, varrendo as névoas da indiferença, da superficialidade, do desânimo”.
Documento final
Na tarde do último sábado, 27, foi aprovado o Documento final do Sínodo sobre a Juventude. Divido em três partes, 12 capítulos, 167 parágrafos e 60 páginas, o documento tem como fio condutor a passagem do Evangelho de Lucas sobre os discípulos de Emaús. “Caminhava com eles”, “Eles abriram os olhos” e “Partiram sem demora” são os títulos de cada uma das três partes do texto.
Para o arcebispo de Brasília (DF) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha, que foi o relator geral do Sínodo, o texto é “o resultado de um verdadeiro trabalho de equipe” dos padres sinodais, juntamente com os outros participantes no Sínodo e “em modo particular os jovens.”
Na primeira parte do documento, intitulada “Caminhava com eles”, é apresentado o contexto no qual os jovens estão inseridos. Ressalta-se a Igreja em escuta, apontam-se “três juntas cruciais” e são abordadas questões como identidade e relacionamento, além do ser jovem hoje.
A segunda parte, “Eles abriram os olhos”, reforça o papel renovador da juventude na Igreja, “portadora de uma santa inquietude”. Acolhimento, respeito e acompanhamento ao dinamismo dos jovens são indicações deste trecho, que aborda o dom da juventude, o mistério da vocação, a missão do acompanhamento e a arte de discernir.
Por fim, em seu último título, “Partiram sem demora”, são pontuadas a sinodalidade missionária da Igreja, o caminhar juntos no cotidiano, o renovado ímpeto missionário e a formação integral. É desta parte do texto que sai o convite às Conferências Episcopais e às Igrejas particulares para prosseguir no processo de discernimento com o objetivo de elaborar soluções pastorais específicas à realidade juvenil.
Título Original:  Sínodo dos jovens é concluído: carta e documento final são divulgados
Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon
%d blogueiros gostam disto: