Viver no Senhor – Um blog a serviço da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana. – – – Sejam Todos Bem-Vindos! Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la. Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, etc, etc. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los, em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

Posts marcados ‘Doutrina’

Papa: Jesus é o tesouro escondido, a pérola de grande valor

Antoine Mekary | ALETEIA

Aleteia


Em nossos dias, disse o Papa Francisco, “a vida de alguns pode resultar medíocre e sem brilho porque provavelmente não foram em busca de um verdadeiro tesouro”
 
“OReino dos Céus é o contrário das coisas supérfluas que o mundo oferece, é o contrário de uma vida banal: é um tesouro que renova a vida a cada dia e a expande em direção a horizontes mais amplos.”
 
Foi o que disse o Papa Francisco no Angelus deste domingo, falando da janela do palácio apostólico que dá para a Praça São Pedro aos fiéis e peregrinos que com o Santo Padre rezaram a oração mariana.
 
A reflexão do Santo Padre concentrou-se no Evangelho do dia (Mt 13,44-52), que corresponde aos últimos versículos do capítulo que Mateus dedica às parábolas do Reino dos Céus.
 
O trecho compreende três parábolas brevemente acenadas e muito curtas: a do tesouro escondido no campo, a da pérola preciosa e a da rede lançada ao mar.
 
Na alocução que precedeu à oração mariana Francisco deteve-se sobre as duas primeiras nas quais o Reino dos Céus é assimilado a duas diferentes realidades “preciosas”, ou seja, o tesouro no campo e a pérola de grande valor.
 
“A reação daquele que encontra a pérola ou o tesouro é praticamente igual”, observou: “o homem e o mercante vendem tudo para adquirir aquilo mais têm a peito”.
 
“Com essas duas semelhanças, Jesus se propõe envolver-nos na construção do Reino dos Céus, apresentando uma característica essencial do mesmo: aderem plenamente ao Reino aqueles que estão dispostos a arriscar tudo.”
 
“De fato, tanto o homem quanto o mercante das duas parábolas vendem tudo aquilo que possuem, abandonando assim suas seguranças materiais. Disso se entende que a construção do Reino exige não somente a graça de Deus, mas também a disponibilidade ativa do homem.”
 
Os gestos daquele homem e do mercante que vão em busca, privando-se de seus bens, para comprar realidades mais preciosas, são gestos decididos e radicais. “E, sobretudo, feitos com alegria, porque ambos encontraram o tesouro.”
 
“Somos chamados a assumir a atitude destes dois personagens evangélicos, tornando-nos também nós saudáveis buscadores irrequietos do Reino dos Céus. Trata-se de abandonar o pesado fardo de nossas seguranças mundanas que nos impedem de buscar e construir o Reino: a ganância pela posse, a sede de lucro e de poder, o pensar somente em nós mesmos.”
 
Em nossos dias, prosseguiu o Papa, “a vida de alguns pode resultar medíocre e sem brilho porque provavelmente não foram em busca de um verdadeiro tesouro: contentaram-se com coisas atraentes, mas efêmeras, cintilantes, mas ilusórias, porque depois deixam na escuridão.”
Verdadeiro tesouro
 
Segundo o Papa, o Reino dos Céus “é um tesouro que renova a vida a cada dia e a expande em direção a horizontes mais amplos”, e “quem encontrou este tesouro tem um coração criativo e em busca, que não repete, mas inventa, traçando e percorrendo novos caminhos, que nos levam a amar Deus, a amar os outros, a amar verdadeiramente a nós mesmos”.
 
“Jesus, que é o tesouro escondido e a pérola de grande valor, só pode suscitar alegria, toda a alegria do mundo: a alegria de descobrir um sentido para a própria vida, a alegria de senti-la comprometida com a aventura da santidade.”
 
“Que a Santíssima Virgem nos ajude a buscar todos os dias o tesouro do Reino dos Céus, a fim de que em nossas palavras e em nossos gestos se manifeste o amor que Deus nos deu através de Jesus”, disse o Papa Francisco.
 
 
Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

29 de junho: O dia do Papa

Gaudium Press


Enquanto a Santa Igreja celebra a Solenidade de São Pedro e São Paulo, as duas colunas que solidificam o alicerce da Fé, o calendário civil comemora o dia do Papa, glorificando aquele que foi eleito para governar e santificar os fiéis.

Em honra do martírio do primeiro Pontífice, o apóstolo São Pedro, comemora-se o dia do Papa em 29 de junho.
Muitas vezes, entretanto, a figura do Papa é tomada como um simples representante diplomático ou político, posto num elevado cargo, que tem autoridade e domínio sobre parte da sociedade. Lastimoso equívoco, pois tão grande é a missão e vocação desse varão escolhido por Deus, que ele é chamado a se configurar com Jesus Cristo, em tão alto grau, que seja sua perfeita representação dentre os homens. Deus deve estar presente no mundo através do Sumo Pontífice.
Fundada sobre uma “pedra”
 
O papado é uma instituição fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo a fim de constituir uma cabeça visível que governe a Santa Igreja Católica no decorrer dos séculos, até o fim dos tempos.

No ato da instituição, o próprio Deus entregou os poderes espirituais e temporais ao Apóstolo Pedro, que Ele escolheu para ser o primeiro dos Papas.
Sua origem remonta dos tempos em que o Deus Humanado vivia sobre a Terra.
 
Com efeito, enquanto Jesus caminhava no território de Cesareia de Filipe, com seus discípulos, aconteceu uma cena que marcaria toda a história da humanidade. Um simples pescador da Galileia proclama em alta voz: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!” (Mt 16,16) Após essa primeira manifestação pública da divindade de Jesus, o Homem-Deus anuncia que fundará sua Igreja sobre esta pedra, que era Pedro, e que ninguém, nem mesmo as portas do inferno poderão derrotá-la. Entrega-lhe também “as chaves do Reino do Céu”, que representam todo o poder sobre a sociedade espiritual e temporal de que o Papa dispõe.

Início simples na aparência, mas divino na realidade. Dessa maneira Deus fundava uma instituição que foi capaz de perpetuar sua existência até o fim dos tempos. Embora inúmeras vezes, ao longo da história, os maus a tentaram destruir, isso nunca acontecerá, pois a promessa de indestrutibilidade veio do próprio Deus.
 
Quem é o Papa? E quais são os seus poderes?
 
Atualmente, a eleição de um Papa se realiza mediante um conclave , ou seja, a reunião de todos os cardeais com menos de 80 anos, para escolher aquele que será elevado ao Sólio Pontifício. O Espírito Santo, que sempre está presente na Igreja, santificando as almas, é quem realmente preside a reunião, e pela boa fé dos cardeais e confiança na assistência divina, eles creem estar elegendo aquele que foi escolhido pelo próprio Deus. É necessário, pelas leis da Igreja, que os eleitores sejam cardeais, ou seja, um bispo que recebeu um título que lhe elevou à dignidade de Príncipe da Igreja. Porém, não é necessário que o eleito seja bispo, se alguém for escolhido nessa condição, se procede imediatamente à ordenação episcopal.

Ao ser eleito e assumir a governo da Santa Igreja, o Sumo Pontífice passa a ter plenos poderes de jurisdição, conforme o Código de direito canônico: “O Bispo da Igreja de Roma, no qual permanece o múnus concedido pelo Senhor de forma singular a Pedro, o primeiro dos Apóstolos, para ser transmitido aos seus sucessores, é a cabeça o Colégio dos Bispos, Vigário de Cristo e Pastor da Igreja universal neste mundo; o qual, por consequência, em razão do cargo, goza na Igreja de poder ordinário, supremo, pleno, imediato e universal, que pode exercer sempre livremente”.

Além do poder de jurisdição – que lhe dá o direito de promulgar leis, julgar e impor penas, de forma direta no campo espiritual e indireta no temporal, sempre que se apresente necessária para obter bens espirituais – os poderes do Santo Padre são os de ensinar, por ser ele, por excelência, aquele que transmite os ensinamentos da fé para o rebanho de Cristo . No tocante às matérias de fé e moral, o Papa ao se pronunciar ex-cathedra, ou seja, sob o peso de sua autoridade outorgada por Deus, de acordo com um cerimonial pré-estabelecido, em nome de toda a Santa Igreja, ele é infalível, e, portanto, não pode errar. Isso é o que norteia e sustenta a confiança dos fiéis, pois vivendo em meio aos maiores encalços do mundo hodierno, sabem que sempre haverá uma voz que ensina a verdade de maneira inerrante.
Grandes Papas
 
Ser Papa é realmente uma missão altíssima, e por essa razão o Sumo Pontífice é assistido de maneira toda especial pela graça divina. Quase se diria que é difícil não se santificar, tal é a intensidade das graças que a Providência lhe dispensa. Por isso, muito foram os Pontífices que praticaram as virtudes em grau heroico, e foram elevados às honras dos altares. São santos.

No decorrer da vida desses insignes pastores, além de serem exemplos de virtude, muitos deles, marcaram a história.
São Leão Magno (440-461), por exemplo, no período de seu pontificado, além de combater vivamente diversas heresias, como o nestorianismo, o monofisismo, o pelagianismo, enfrentou pessoalmente Átila, o chefe dos Hunos, um povo bárbaro extremamente violento, que estava para invadir Roma. O Papa com toda coragem dirigiu-se a ele paramentado com as vestes pontificais, e no momento do encontro entre um venerável ancião e o chefe dos Hunos, acompanhando o séquito pontifício apareceram no Céu as figuras de São Pedro e São Paulo, corroborando a atitude do Santo Pontífice, que por força de sua presença dobrou ao chão a autoridade de um fanático por destruir a civilização. Roma e boa parte da Cristandade foram salvas pela força do Papa, o que nem mesmo o Imperador foi capaz de fazer.

De muitas outras formas, refulgiu aos olhos dos homens a glória de insignes Papas que souberam defender e guiar a Santa Igreja, dentre eles São Gregório VII (1020-1085), no período da Idade Média, que após sua nomeação pôs em prática a reforma que vinha planejando enquanto auxiliava seus predecessores, deixou bem demarcada a autoridade da Igreja em relação ao poder temporal, e reformou as instituições eclesiásticas. São Pio V (1566-1572), que renovou o clero e a liturgia da Missa, e salvou o continente europeu da invasão muçulmana na Batalha de Lepanto, com o auxílio da Santíssima Virgem. São Pio X (1903-1914), que foi um insigne defensor da ortodoxia doutrinária, governando a Igreja em um período de intenso laicismo, e tendências modernistas. Além de combater esses erros, foi um propulsor do convívio eucarístico entre os fiéis, inclusive permitindo o acesso precoce das crianças à Eucaristia. Promoveu o estudo do canto gregoriano, criou a Pontifícia Comissão Bíblica e colocou as bases do Código de Direito Canônico, promulgado após sua morte, em 1917.

Por fim, além dos santos, outros tipos de homens também ficam registrados nas páginas da história, como é o caso daqueles que praticam ações abomináveis que devem ser lembradas como um exemplo para não seguir, assim aconteceu com os antipapas. Trata-se de usurpadores que ilicitamente se sentaram, ou tentaram se sentar, no Trono de São Pedro, utilizando de prerrogativas que não lhes são próprias, causando divisão e confusão nos fiéis.
 
* * *
 
Ser o Doce Cristo na Terra, eis a missão tão grandiosa que o próprio Deus outorgou àquele que Ele escolheu para governar a Santa Igreja, proteger o rebanho, expandir a Fé, e assim, constituir o Reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo sobre todos os homens. Missão grandiosa, e muito séria, pois um único homem passa a responder perante o Criador pela salvação ou perdição de todo o rebanho.

Passaram-se dois milênios e a Santa Igreja atravessou incólume todas as procelas e tempestades que a atingiram. Nesses tempos calamitosos em que vivemos devemos ter certeza de que não será diferente. Deus sempre protegerá sua Igreja do ataque dos adversários. Tenhamos fé em suas palavras: “As portas do Inferno não prevalecerão contra Ela”. (Mt 16, 18)
 
Por Jiordano Cararro
 
1 As normas que regem a eleição de um novo Pontífice se encontram na Constituição Apostólica Universi Dominici Gregis, do Papa João Paulo II, de 22 de fevereiro de 1996, que vigora até os dias de hoje. Disponível em <http://www.vatican.va>.
2 Código de Direito Canônico. Cânon 331.
3 Catecismo da Igreja Católica. § 891.
 
 
Site: Gaudium Press
Editado por Henrique Guilhon

Por que é tão importante a Anunciação do Anjo a Maria, que celebramos hoje


Fra Angelico

Alateia
É uma data-chave na história da Salvação: graças ao SIM de Maria, o Verbo de Deus Se faz carne e vem habitar entre nós.
AIgreja celebra no dia 25 de março a Solenidade da Anunciação a Maria, isto é, o dia em que o Arcanjo Gabriel lhe anunciou que ela conceberia por obra do Espírito Santo e daria à luz Jesus Cristo, o Filho de Deus.
A celebração ocorre simbolicamente nesta data porque são exatos nove meses antes do Natal, representando assim os nove meses da gestação de Jesus. Existe, porém, uma exceção: nos anos em que esta solenidade cai na Semana Santa, o Missal Romano estabelece que ela seja transferida para a segunda-feira posterior ao segundo domingo de Páscoa.
Trata-se do episódio da história da Salvação em que Maria diz sim ao Plano de Deus. Esta aceitação humilde e repleta de fé por parte dela transforma a trajetória da humanidade, pois o sim de Maria permite que Deus Se encarne para nos remir.
Francisco Rizi | Public Domain

Há um notável paralelo entre a Anunciação a Maria e a anunciação a Zacarias, o pai de São João Batista. Em ambos os casos, o Arcanjo Gabriel lhes aparece para transmitir a notícia dos respectivos nascimentos de Jesus e do Seu precursor, mas as reações de Zacarias e de Maria são bem diferentes num aspecto crucial: a fé.
Zacarias questiona como poderia saber se o aquilo que o Arcanjo estava lhe dizendo era verdade. Ou seja, ele duvida.
Já Maria pergunta diretamente como aconteceria aquele anúncio. Ou seja, ela acreditou imediatamente que aconteceria, mas queria compreender o modo.
O Arcanjo Gabriel então lhe disse:
“O Espírito virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com Sua sombra. Por isso, o Menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus”.
Murillo | Public Domain

Fica clara, portanto, a intervenção das três Pessoas da Santíssima Trindade na Encarnação Divina: pela ação do Espírito Santo, o Pai faz que o Filho seja concebido como homem no ventre de uma virgem, sem que haja um pai humano. O Arcanjo deixa explícito, além do mais, que o Menino que vai nascer é o Filho de Deus encarnado.
E Maria acolhe, como serva humilde e fiel, a vontade de Deus:
“Faça-se em mim segundo a tua palavra”.
É o que recordamos diariamente na oração do Ângelus.
Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

As calamidades que o Apocalipse apresenta a se desencadear sobre o mundo, não podem ser interpretadas ao pé da letra

Cléofas
“O Apocalipse oferece uma imagem do que é a vida do cristão e a vida da Igreja: uma realidade ao mesmo tempo da terra e do céu, do tempo e da eternidade”
A interpretação do Apocalipse requer critérios precisos deduzidos deste gênero literário. A palavra grega “apokálypsis” quer dizer revelação. O Apocalipse quer incutir nos leitores uma confiança inabalável na Providência Divina em tempos difíceis para os cristãos. Não vamos aqui analisar os simbolismos dos números, animais, aves, monstros, etc..
No fim do século I era cada vez mais difícil a situação dos cristãos no Império Romano por causa da terrível perseguição pelos imperadores romanos. Tudo começou com Nero, no ano 64, e São João escreveu estando exilado na ilha de Patmos, no mar Egeu, na terrível perseguição de Domiciano (81-96). Muitos cristãos desanimados, abandonavam a fé (apostasia) e aderiam às prática pagãs. Foi em tais circunstâncias sombrias que São João escreveu o Apocalipse.
O livro visava encorajar os fiéis. O Apocalipse é, basicamente, “o livro da esperança cristã” ou da confiança inabalável no Senhor Jesus e nas suas promessas de vitória. Ele quer anunciar a “vitória do Bem sobre o mal”, do reino de Cristo sobre o reino do Mal.
Nem todo o livro do Apocalipse está redigido em estilo apocalíptico. Compreende duas partes anunciadas em Ap 1,19-3,22: revisão de vida das sete comunidades da Ásia Menor às quais São João escreve em estilo sapiencial e pastoral; 4,1-22,15: as coisas que devem acontecer depois. Esta é a parte apocalíptica propriamente dita para a qual se volta a nossa atenção: 4,1-5,14: a corte celeste, com sua liturgia. O Cordeiro “de pé, como que imolado” (5,6), recebe em suas mãos o livro da história da humanidade. Tudo o que acontece no mundo está sob o domínio do Senhor, que é o Rei dos séculos. A parte apocalíptica do livro se abre com uma grandiosa cena de paz e segurança; qualquer quadro de desgraça está subordinado a isso.
O núcleo central do sentido do Apocalipse apresenta, sob forma de símbolos, a luta entre Cristo e Satanás, luta que é o eixo de toda a história. Os sete selos revelam esta luta. A seguir, de 17,1 a 22,17, após os três septenários, ocorre a queda dos agentes do mal: 17,1-19,10: a queda de Babilônia (símbolo da Roma pagã); 19,11-21: a queda das duas Bestas que regem Babilônia (o poder imperial pagão e a religião oficial do império); 20,1-15: a queda do Dragão, instigador do mal.
A seção final (21,1-22,15) mostra a Jerusalém celeste, Esposa do Cordeiro o oposto da Babilônia pervertida. Os versículos 22,16-21 constituem o epílogo do livro.
Em resumo, as calamidades que o Apocalipse apresenta a se desencadear sobre o mundo, não podem ser interpretadas ao pé da letra. Unindo as aflições na terra e alegria no céu, quer dizer aos seus leitores que as tribulações desta vida estão de acordo com a Sabedoria de Deus; foram cuidadosamente previstas pelo Senhor, dentro de um plano harmonioso, onde nada escapa, embora não entendamos.
Ao padecer as aflições da vida cotidiana, os cristãos não devem desanimar. Foi uma forma de consolo que o Apocalipse queria incutir aos seus leitores; não só do século I, mas de todos os tempos da história; isto é, os acontecimentos que nos atingem aqui na terra fazem parte da luta vitoriosa do Bem sobre o mal; é a prolongação da obra do Cordeiro que foi imolado, mas atualmente reina sobre o mundo com as suas chagas glorificadas (cf. c.5). Os cristãos na terra gemem, mas os bem-aventurados na glória cantam aleluia.
No céu os justos não se desesperam com que acontece com os que sofrem na terra; antes, continuam a cantar jubilosamente a Deus porque percebem o sentido das nossas tribulações. O Apocalipse quer mostrar que essa mesma paz do céu deve ser também a dos cristãos na terra, porque, embora vivam no mundo presente, já possuem em suas almas a eternidade e o céu em forma de semente, pela graça santificante, que é a semente da glória celeste.
Assim o Apocalipse oferece uma imagem do que é a vida do cristão e a vida da Igreja: uma realidade ao mesmo tempo da terra e do céu, do tempo e da eternidade. A vida do cristão é celeste, deve ser tranquila, como a vida dos justos que no céu possuem em plenitude aquilo mesmo que os cristãos possuem na terra em gérmen.
A sua mensagem básica do Apocalipse é esta: as desgraças da vida presente, por mais aterradoras que pareçam, estão sujeitas ao sábio plano da Providência Divina, a qual tudo “faz concorrer para o bem daqueles que O amam” (Rm 8,28).
Leia também: 
Assista também:
Prof. Felipe Aquino
Sobre Prof. Felipe AquinoO Prof. Felipe Aquino é doutor em Engenharia Mecânica pela UNESP e mestre na mesma área pela UNIFEI. Foi diretor geral da FAENQUIL (atual EEL-USP) durante 20 anos e atualmente é Professor de História da Igreja do “Instituto de Teologia Bento XVI” da Diocese de Lorena e da Canção Nova. Cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, título concedido pelo Papa Bento XVI, em 06/02/2012. Foi casado durante 40 anos e é pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova.
Título Original: Como entender o Apocalipse?
 
Site: Cléofas
Editado por Henrique Guilhon

O mistério da encarnação que fez da Virgem Maria a Mãe de Deus

Santo Canção Nova
Oitavas de Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que graça para nós começarmos o primeiro dia do ano contemplando este mistério da encarnação que fez da Virgem Maria a Mãe de Deus!
Este título traz em si um dogma que dependeu de dois Concílios, em 325 o Concílio de Nicéia, e em 381 o de Constantinopla. Estes dois concílios trataram de responder a respeito desse mistério da consubstancialidade de Deus uno e trino, Jesus Cristo verdadeiro Deus e verdadeiro homem.
No mesmo século, século IV, já ensinava o bispo Santo Atanásio: “A natureza que Jesus Cristo recebeu de Maria era uma natureza humana. Segundo a divina escritura, o corpo do Senhor era um corpo verdadeiro, porque era um corpo idêntico ao nosso”. Maria é, portanto, nossa irmã, pois todos somos descendentes de Adão. Fazendo a relação deste mistério da encarnação, no qual o Verbo assumiu a condição da nossa humanidade com a realidade de que nada mudou na Trindade Santa, mesmo tendo o Verbo tomado um corpo no seio de Maria, a Trindade continua sendo a mesma; sem aumento, sem diminuição; é sempre perfeita. Nela, reconhecemos uma só divindade. Assim, a Igreja proclama um único Deus no Pai e no Verbo, por isso, a Santíssima Virgem é a Mãe de Deus.
No terceiro Concílio Ecumênico em 431, foi declarado Santa Maria a Mãe de Deus. Muitos não compreendiam, até pessoas de igreja como Nestório, patriarca de Constantinopla, ensinava de maneira errada que no mistério de Cristo existiam duas pessoas: uma divina e uma humana; mas não é isso que testemunha a Sagrada Escritura. porque Jesus Cristo é verdadeiro Deus em duas naturezas e não duas pessoas, uma natureza humana e outra divina; e a Santíssima Virgem é Mãe de Deus.
Santa Maria Mãe de Deus, rogai por nós!
Título Original: Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus
Site: Santo Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

CNBB
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota na tarde desta quinta-feira, 12 de dezembro, na qual critica a postura de artistas que, em nome da liberdade de expressão, vilipendiam símbolos sagrados da fé cristã. “Ridicularizar a crença de um grupo, seja ele qual for, além de constituir ilícito previsto na legislação penal, significa desrespeitar todas as pessoas, ferindo a busca por uma sociedade efetivamente democrática, que valoriza todos os seus cidadãos”, diz o texto. Confira abaixo a íntegra do documento. No áudio abaixo, a nota é lida pelo arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo.
Nota oficial da CNBB
sobre o desrespeito à fé cristã
Examinai tudo e ficai com o que é bom! (1 Ts 5,21)
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) repudia recentes fatos que, em nome da liberdade de expressão e da criatividade artística, agridem profundamente a fé cristã. Ridicularizar a crença de um grupo, seja ele qual for, além de constituir ilícito previsto na legislação penal, significa desrespeitar todas as pessoas, ferindo a busca por uma sociedade efetivamente democrática, que valoriza todos os seus cidadãos.
A Igreja nunca deixou de promover a arte e a liberdade de expressão. Por isso, a CNBB reitera que toda produção artística respeite “os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável”. Quando há desrespeito em produções midiáticas, os meios de comunicação tornam-se violentos, verdadeiras armas que contribuem para ridicularizar e matar os valores mais profundos de um povo.
Vivemos em uma sociedade pluralista. Nem todos têm as mesmas crenças. Devemos, no entanto, como exigência ética e democrática, respeitar todas as pessoas. Nada permite a quem quer que seja o direito de vilipendiar crenças, atingindo vidas. O direito à liberdade de expressão não anula o respeito às pessoas e aos seus valores.
Neste tempo de Advento, somos convocados a permanecer firmes na fé, constantes na esperança e assíduos na caridade. Não podemos nos deixar conduzir por atitudes de quem, utilizando a inteligência recebida de Deus, agride esse mesmo Deus. Um dia, haveremos de prestar contas de todos os nossos atos.
Diante, pois, dessas agressões, respeitando a autonomia de cada pessoa a reagir conforme sua consciência, a CNBB clama a todos os cidadãos brasileiros a se unirem por um país com mais justiça, paz, respeito e fraternidade.
Brasília-DF, 12 de dezembro de 2019
Festa de Nossa Senhora de Guadalupe
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte – MG
Presidente da CNBB
Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre – RS
1º Vice-Presidente da CNBB
Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima – RR
2º Vice-Presidente da CNBB
Dom Joel Portella Amado
Bispo Auxiliar de S. Sebastião do Rio de Janeiro – RJ
Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon
%d blogueiros gostam disto: