Viver no Senhor – Um blog a serviço da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Igreja Católica Apostólica Romana. – – – Sejam Todos Bem-Vindos! Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la. Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, etc, etc. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los, em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

Posts marcados ‘Notícia’

Jovens participam de Missão Solidária Marista

Por Adilson Jorge

Jovens Conectados

Oficinas, atividades lúdicas e integração com espaços importantes para as comunidades. Há 15 anos, os jovens que estão cursando o Ensino Médio nos Colégios Maristas e no Marista Escolas Sociais vivem a experiência do voluntariado e realizam visitas, troca de experiências, atividades e ações em áreas periféricas dos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul.
Neste ano, cerca de 500 voluntários, entre jovens e educadores, estão envolvidos na Missão Solidária Marista, que está acontecendo desde o dia 19 de janeiro e vai até dia 1º de fevereiro. As ações, que estão em sua décima quinta edição, acontecem simultaneamente nas cidades de São Paulo (SP), Curitiba e Paiçandu, no Paraná entre os dias 19 e 25 de janeiro. A partir de 26 de janeiro a 1º de fevereiro, os jovens estarão em Ponta Grossa (PR) e São José, (SC).
De acordo com o responsável pela Missão Solidária Marista, Bruno Socher, o objetivo é promover a sensibilidade solidária e a troca de experiências. “Educar para a solidariedade, com um aprendizado recíproco e dialógico, por meio da imersão em realidades desafiadoras”, afirma. Desde 2005, o Grupo Marista já realizou missões voluntárias em 48 localidades, que contaram com a participação de mais de dois mil jovens. Atualmente, o grupo está presente em alguns desses locais com o Marista Escolas Sociais no Paraná, Santa Catarina e São Paulo, oferecendo educação gratuita e de qualidade para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social.
Além de colocarem a mão na massa em ações para melhorar a estrutura de espaços públicos das comunidades, os jovens passam todo o período da Missão, hospedados em casas de famílias que moram nas comunidades. “Com certeza, esse é o ponto alto da experiência para os jovens, que criam laços para a vida e, além de ajudarem a comunidade, também ressignificam muitos sentimentos e valores. Mais do que a marca que deixam nos territórios, os estudantes também vão embora transformados”, salienta Bruno.
Ações e conscientização
Na capital paulista, na Zona Leste, as atividades incluem oficinas de empreendedorismo no Galpão da ZL e no Parque Jacui, oficinas de plantio e jardinagem com o Mulheres do GAU – Grupo de Agricultoras Urbanas, técnicas de reciclagem com os catadores de lixo da ONG Guerreiros de Deus, e nas ações da Pastoral da Criança. Em Curitiba, no Fazendinha os jovens vão conversar sobre “advocacy” – prática de cidadania que argumenta em prol da defesa de causas e direitos para influenciar políticas públicas – revitalizar a quadra do Colégio São Miguel e participar de oficinas no Hospital Cajuru e de reciclagem de lixo.
Em São José, (SC), os estudantes vão participar de atividades relacionadas à ecologia e ao meio ambiente, conhecendo ONGs de catadores de material reciclável e atuando no horto florestal da comunidade. Já em Paiçandu, no interior do Paraná, as mulheres da comunidade receberão oficinas sobre empoderamento feminino. Os alunos terão contato com a cooperativa de catadores e promoverão reformas em espaços comunitários. Em Ponta Grossa (PR), no bairro do Santa Mônica e educação de qualidade estará em pauta. Os estudantes vão conhecer as lideranças da região e reformar os muros e quadra de um centro municipal de educação infantil.
Por Nathalie Maia
Site: Jovens Conectados
Editado por Henrique Guilhon

Mercy Friday: O Papa surpreende os alunos da escola Pilo Albertelli

Francisco Visitou A Escola Romana Pilo Albertelli De Surpresa © Vatican Media
Zenit
O Papa Francisco voltou a surpreender-se com outra de suas visitas inesperadas às ruas de Roma. Às 11h25, o pontífice chegou de carro à Escola Superior Estadual Pilo Albertelli , uma das mais antigas da cidade, fundada em 1880, localizada perto da Basílica de Santa María la Mayor.

O diretor da Assessoria de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, comunicou nesta última sexta-feira, 20 de dezembro, aos jornalistas que o Papa chegou à escola com o diretor do L’Osservatore Romano , Andrea Monda, ex-professora de religião. do centro e do reitor. Ao entrar no instituto, ele cumprimentou os professores, funcionários e jovens que escreveram os textos das Meditações da Via Crucis na Sexta-Feira Santa 2018.
A declaração de Matteo Bruni indica que o Santo Padre chegou ao pátio da escola, acolhido por cerca de 800 alunos do instituto. Depois de uma música tocada por alguns estudantes e da saudação do diretor, em resposta às perguntas de alguns estudantes, o Papa falou algumas palavras aos jovens.
Ele falou sobre a solidão, que quando você vive mal leva à melancolia, ao amor livre, a um caminho difícil, feito de “poda” de si mesmo, de paciência, de “pequenos sacrifícios”.

 
Migração: precisamos viver juntos
Em resposta a uma pergunta sobre a coexistência de diferentes culturas e religiões, ele falou sobre a migração, mesmo em seu próprio país, a Argentina, e como isso levou à “necessidade de viver juntos”, diz a Santa Sé. “Dirigindo-se aos não-crentes, ele enfatizou o valor do testemunho para despertar curiosidade pelo evangelho e pela fé”.
Depois de lembrar às crianças a importância de brincar e sonhar, que ele “leva oxigênio à alma”, respondendo a uma pergunta sobre os verdadeiros professores, o Papa falou da relação entre professor e discípulo, um presente que ele próprio poderia lembrar no últimos dias, quando falou sobre seu pai espiritual, Miguel Ángel Fiorito .
Quando a campainha tocou, Francisco desejou um feliz Natal às crianças e aos presentes e, antes de partir, respondeu à última pergunta de um jovem sobre a contradição do uso da guerra para trazer paz e segurança. Citando as situações trágicas de alguns países, ele anunciou sua mensagem em vídeo sobre o tema da paz, gravada com o Secretário-Geral das Nações Unidas no final da reunião desta manhã.
Site: Zenit
Editado por Henrique Guilhon

CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

CNBB
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota na tarde desta quinta-feira, 12 de dezembro, na qual critica a postura de artistas que, em nome da liberdade de expressão, vilipendiam símbolos sagrados da fé cristã. “Ridicularizar a crença de um grupo, seja ele qual for, além de constituir ilícito previsto na legislação penal, significa desrespeitar todas as pessoas, ferindo a busca por uma sociedade efetivamente democrática, que valoriza todos os seus cidadãos”, diz o texto. Confira abaixo a íntegra do documento. No áudio abaixo, a nota é lida pelo arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo.
Nota oficial da CNBB
sobre o desrespeito à fé cristã
Examinai tudo e ficai com o que é bom! (1 Ts 5,21)
A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) repudia recentes fatos que, em nome da liberdade de expressão e da criatividade artística, agridem profundamente a fé cristã. Ridicularizar a crença de um grupo, seja ele qual for, além de constituir ilícito previsto na legislação penal, significa desrespeitar todas as pessoas, ferindo a busca por uma sociedade efetivamente democrática, que valoriza todos os seus cidadãos.
A Igreja nunca deixou de promover a arte e a liberdade de expressão. Por isso, a CNBB reitera que toda produção artística respeite “os sentimentos de um povo ou de grupos que vivem valores, muitas vezes, revestidos de uma sacralidade inviolável”. Quando há desrespeito em produções midiáticas, os meios de comunicação tornam-se violentos, verdadeiras armas que contribuem para ridicularizar e matar os valores mais profundos de um povo.
Vivemos em uma sociedade pluralista. Nem todos têm as mesmas crenças. Devemos, no entanto, como exigência ética e democrática, respeitar todas as pessoas. Nada permite a quem quer que seja o direito de vilipendiar crenças, atingindo vidas. O direito à liberdade de expressão não anula o respeito às pessoas e aos seus valores.
Neste tempo de Advento, somos convocados a permanecer firmes na fé, constantes na esperança e assíduos na caridade. Não podemos nos deixar conduzir por atitudes de quem, utilizando a inteligência recebida de Deus, agride esse mesmo Deus. Um dia, haveremos de prestar contas de todos os nossos atos.
Diante, pois, dessas agressões, respeitando a autonomia de cada pessoa a reagir conforme sua consciência, a CNBB clama a todos os cidadãos brasileiros a se unirem por um país com mais justiça, paz, respeito e fraternidade.
Brasília-DF, 12 de dezembro de 2019
Festa de Nossa Senhora de Guadalupe
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte – MG
Presidente da CNBB
Dom Jaime Spengler
Arcebispo de Porto Alegre – RS
1º Vice-Presidente da CNBB
Dom Mário Antônio da Silva
Bispo de Roraima – RR
2º Vice-Presidente da CNBB
Dom Joel Portella Amado
Bispo Auxiliar de S. Sebastião do Rio de Janeiro – RJ
Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon

Domingo, dia 6, tem início a Assembleia Especial do Sínodo para a Pan-Amazônia

 
CNBB
Anunciada pelo Papa Francisco em 15 de outubro de 2017, a Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-Amazônica acontece de 6 a 27 de outubro próximo, no Vaticano, em Roma. À época do anúncio, o Papa Francisco afirmou estar “atendendo o desejo de algumas Conferências Episcopais da América Latina, assim como ouvindo a voz de muitos pastores e fiéis de várias partes do mundo”.
“Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral” é o tema escolhido pelo Papa Francisco para esta edição. O objetivo principal da convocação é identificar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, especialmente dos indígenas, frequentemente esquecidos e sem perspectivas de um futuro sereno, também por causa da crise da Floresta Amazônica, pulmão de capital importância para nosso planeta.
Em entrevista ao jornal italiano La Stampa, de 8 de agosto deste ano, o Papa Francisco disse ser o Sínodo filho da Laudato Sí, uma encíclica social baseada no cuidado da Criação na qual o Santo Padre afirma que tudo está interligado. Para o Santo Padre “quem não a leu jamais entenderá sobre o Sínodo sobre a Amazônia”.
Processo de preparação – De junho 2018 a abril deste ano, foram realizadas, nos nove países que integram a região Pan-Amazônica (Brasil, Peru, Colômbia, Bolívia, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname), uma série de atividades como parte do processo de escutas pré-sinodais coordenado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM). A escuta ouviu os povos amazônicos e da floresta (indígenas, ribeirinhos, quilombolas, mulheres, juventudes, religiosos e religiosas, etc).
Ao todo foram realizadas 57 assembleias, 21 fóruns nacionais, 17 fóruns temáticos e 179 rodas de conversa. No Brasil, foram realizadas 182 atividades. Como fruto desta escuta, a secretaria-executiva do Sínodo elaborou o Instrumentum Laboris (Instrumento de Trabalho) do Sínodo Amazônico, material a ser estudado pelos bispos como preparação ao evento. O documento pode ser acessado no hot-site oficial do evento: http://www.sinodoamazonico.va.
O Vaticano divulgou a lista de participantes dia 21 de setembro deste ano. O papa convocou bispos dos 9 países que integram a Pan-Amazônia. O Brasil terá a maior delegação entre os participantes, sendo 58 bispos da região amazônica, além de outros nomes na cúpula do encontro como o cardeal brasileiro dom Claudio Hummes que é o relator geral do sínodo. O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira também participará. O pontífice convidou cientistas, nomes ligados à Organização das Nações Unidas (ONU), representantes de igrejas evangélicas, de ONGs e povos indígenas A previsão é de mais de 250 participantes.
Significado e história – Etimologicamente, a palavra “sínodo” deriva dos termos gregos “syn” (que significa com, em conjunto) y “odos” (que significa caminho), expressando a ideia de caminhar juntos. O Sínodo dos Bispos pode ser definido, em termos gerais, como uma assembleia de Bispos que representa o episcopado de todo o mundo e tem como tarefa ajudar o Papa no governo da Igreja, com o seu conselho, para procurar soluções pastorais que tenham validade e aplicação universal. É, portanto, um organismo consultivo e não deliberativo.
Mais de 40 anos depois da sua criação, por Paulo VI (15.09.1965), a experiência sinodal caminha para a sua XII assembleia ordinária, a que se junta duas assembleias extraordinárias e oito especiais. Esta instituição permanente nasceu como resposta aos anseios dos padres do II Concílio do Vaticano, como forma de manter vivo o espírito de colegialidade nascido na experiência conciliar. Ainda Arcebispo de Milão, Paulo VI foi um dos principais motores da ideia de uma “contínua colaboração do episcopado”. Já como Papa, no discurso inaugural da última sessão do Concílio (14.09.1965), tornou pública a sua intenção de instituir o Sínodo dos Bispos.
A finalidade de cada assembleia sinodal é a de viver uma experiência de colegialidade entre o episcopado e o Papa. Após a realização do Sínodo, é prerrogativa do Papa decidir se pública ou não uma exortação apostólica a partir das reflexões. Depois da última edição de um sínodo, de 03 a 28/10/2018, em Roma, cujo tema foi: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, o papa publicou a exortação apostólica “Christus Vivit” dirigida aos jovens e à Igreja no mundo.
Site: CNBB
Editado por Henrique Guilhon

Mensagem para o Dia do Catequista recorda o significado de gratidão e de esperança

CNBB
A Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou mensagem para os catequistas de todo o Brasil, por ocasião do dia a eles dedicado, 25 de agosto. “Quero parabenizá-lo (a) por este dia, pois sem sua atuação catequética a fé em Jesus Cristo seria quase que apenas uma ideia”, afirma dom José Antônio Peruzzo, presidente da Comissão.
Na mensagem, o arcebispo considera que celebrar o Dia do Catequista tem um significado de gratidão e de esperança. “Gratidão pelo amor e gratuidade dedicados a anunciar a pessoa de Jesus Cristo. Esperança, porque enquanto pudermos contar com catequistas, o anúncio terá também a marca da ternura”, aponta.
Neste domingo (25), em comunhão, os bispos de todo Brasil vão orar por seus catequistas. “Talvez aconteça que não consigam ser suficientemente gratos aos catequistas de suas dioceses. Mas Deus nunca se deixa vencer em generosidade. Um dia Ele mesmo vai abraçá-los por terem oferecido do seu tempo para a catequese. Que a grande Catequista, aquela de Nazaré, caminhe ao seu lado nesta missão tão sublime”, afirma dom Peruzzo na mensagem. (Clique e confira o texto na íntegra).
Homenagem
Em homenagem aos catequistas de todo o país, o portal da CNBB gravou com exclusividade um vídeo, com um uma homenagem especial de dom Peruzzo:
Editado por Henrique Guilhon

Corpus Christi: “Deus se faz próximo!”. A hóstia consagrada não simboliza Jesus, é o próprio Jesus

Padre Gustavo Uchôa/ Foto: Arquivo Pessoal – Padre Gustavo

 
Notícias Canção Nova
Padre Gustavo Uchôa incentiva fiéis a refletirem sobre a solenidade de Corpus Christi vivida pela Igreja nesta quinta-feira, 20

Julia Beck,
Da redação
“A solenidade de Corpus Christi nos interpela a viver como homens e mulheres eucarísticos, isto é, em ação de graças a Deus, fazendo da vida uma doação”. A reflexão é do padre Gustavo Uchôa, pároco da Igreja Nossa Senhora Aparecida e Santo Expedito — localizada em Lorena (SP), e faz referência à solenidade Corpus Christi, também conhecida como celebração do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, que será vivida pela Igreja nesta quinta-feira, 20.
Historicamente, o sacerdote recorda que a data dedicada a Corpus Christi surgiu no século XIII quando foi promulgada pelo Papa Urbano IV. “Precedente à promulgação ocorriam festejos populares em honra ao Santíssimo Sacramento, atos devocionais que inspiraram a oficialização em forma de solenidade litúrgica. No coração do povo de Deus estava o amor pela Eucaristia que se expressava em atos devocionais, posteriormente adotados pela Igreja, uma vez que não havia contradição neste sensus fidei e, de fato, a Eucaristia deve ser celebrada como Mistério central de nossa fé”, completou.
A celebração reúne todos os anos milhares de fiéis no Brasil e no mundo e apresenta um significado singular para todos os crentes. Padre Gustavo citou São João Paulo II para explicar o valor da solenidade.
“Como disse São João Paulo II: ‘A Igreja vive da Eucaristia’. Logo, celebrar Corpus Christi é uma expressão do que há de mais sublime de nossa fé. Intimamente ligada ao Mistério Trinitário, uma vez que celebrada na quinta-feira seguinte ao Domingo da Santíssima Trindade, temos a percepção de que Deus se faz próximo, ‘o verbo divino se fez carne e habitou entre nós’ (Jo 1,14), a grandeza deste Mistério torna-se simples, humilde, o Senhor inteiramente entrega-se a nós”, observou o sacerdote.
A confecção de tapetes para honrar o Santíssimo Corpo e Sangue do Senhor é uma tradição que, de acordo com padre Gustavo, incentiva todos os católicos a pensarem no amor dedicado a Jesus. O sacerdote destacou também a procissão da Eucaristia pelas ruas, vilas e cidades, e recordou o ato de caminhar pelos povoados da Galileia, realizado por Jesus durante sua vida terrena.
Procissão de Corpus Christi / Foto: Wesley Almeida – Arquivo CN
“Por onde Jesus passava tocava corações com sua presença. Hoje queremos que o Senhor passe entre nós, queremos ser tocados por Ele, por isso preparamos tudo, queremos manifestar-Lhe nosso carinho, reverência, adoração. Por trás do gesto concreto da ornamentação das ruas está muito mais que tradição, está um ato de fé de gente que canta: ‘Também sou teu povo, Senhor, e estou nessa estrada, Tu és alimento na longa jornada!’”, afirmou padre Gustavo.
A procissão realizada pelos fiéis é também vista pelo padre como uma forma de os católicos testemunharam aquilo que acreditam e celebram. “Na Santíssima Eucaristia, está contido todo o tesouro espiritual da Igreja. O Senhor doando-se sem reservas ensinou-nos que ‘não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida’ (Mt 20,28). Na Eucaristia está o ensinamento do Senhor que nada guarda para si, nem sequer seu Corpo e Sangue, pois tudo oferece”, refletiu.
Para a solenidade deste ano, o sacerdote incentivou os católicos a caminharem pelas ruas e se questionarem: “Também passo pelas ruas, pelas pessoas, por encontros doando minha vida? Tenho reservado tudo para mim e nada para os outros?”.
Tradicional tapete de Corpus Christi/ Foto: Wesley Almeida – Arquivo CN
Ao longo de sua peregrinação terrena, o sacerdote recorda que Jesus Cristo se encontrava com pessoas que acreditavam e viviam de modo diferente do seu, pois não eram judeus, como o oficial romano (Lc 7,1-10), a mulher cananeia (Mt 15, 21-28), a samaritana (Jo 4, 1-29), dentre tantos outros encontros: “Todavia, não lhes impedia de se aproximarem, cada encontro era único. Toda a vida de Jesus, a sua forma de tratar os pobres, os seus gestos, a sua coerência, a sua generosidade simples e quotidiana e, finalmente, a sua total dedicação, tudo é precioso”, afirmou o religioso.
“Quando o Senhor Jesus presente na Eucaristia passa em nosso meio quantas possibilidades de encontros? Quantos ainda não O conhecem? Quantos se sentem perdidos?”, indagou padre Gustavo. O sacerdote prosseguiu: “Talvez, deste testemunho de fé surja o despertar para Aquele que é ‘o Caminho, a Verdade, e a Vida’ (Jo 10,10). Deixando nossos templos propagamos o que cremos. Além disso, como homens e mulheres que creem na Eucaristia passamos a anunciar Cristo, mais que isto, somos cristóforos, (Χριστόφορος), portadores de Cristo. Somos promotores de novos encontros com Ele”.
Leia também
Titulo Original: Padre sobre solenidade de Corpus Christi: “Deus se faz próximo!”
Site: Notícias Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon
%d blogueiros gostam disto: